Home / Matérias de revistas / Quatro Rodas / Maior segurança e conforto no Passat

Maior segurança e conforto no Passat

Revista Quatro Rodas nº 178 – Maio de 1975
Reportagem de Emilio Camanzi
Fotos de Cláudio Larangeira

Passat com ar condicionado e servo-freio

O Passat equipado com aparelho de ar condicionado e com servo-freio é mais seguro, confortável, e para em um espaço muito mais curto.

A Volkswagen do Brasil está apresentando agora duas novidades no Passal: freios equipados com servo-freio e ar condicionado. O Passal portanto é o primeiro carro médio-pequeno brasileiro a sair de fábrica equipado com esses dois itens, que demonstram a preocupação da fábrica em oferecer um carro pequeno, mas com o acabamento e os equipamentos até há pouco tempo exclusivos dos carros grandes de luxo. Essa é uma nova tendência do mercado, provocada pela crise de gasolina, que fez com que as vendas dos carros grandes diminuísse.

Quatro Rodas recebeu para um teste exclusivo um Passal LS de duas portas, equipado com servo-freio e ar condicionado. O servo-freio, por enquanto, ainda é um equipamento opcional. Pode equipar qualquer carro da linha Passat, com um acréscimo de Cr$ 550,00 no preço, se o pedido for feito ao revendedor com um mês de antecedência. Já nos modelos LS, tanto de duas como de quatro portas, o servo-freio é um equipamento opcional “mandatório”, isto é, todos os carros são equipados com ele.

O servo-freio também pode ser instalado nos carros já em circulação. Para isso, segundo a fábrica, basta procurar um revendedor autorizado, que fará o serviço por Cr$ 800,00 .

Novidade

O ar condicionado, no entanto, que é realmente a maior novidade do Passat a partir deste mês, somente pode ser pedido nos modelos LM e LS, tanto de duas como de quatro portas. Com a vantagem de receber garantia da própria Volkswagen, que desenvolveu o equipamento especialmente para o Passat. Talvez por isso seja tão caro. Custa Cr$ 6.560,00 no Estado de São Paulo e oscila entre Cr$ 6.621,00 e Cr$ 6.702,00 em outros Estados. Mas agora, no lançamento, somente quarenta revendedores estão autorizados por enquanto a vender carros com ar condicionado. De acordo com a fábrica, é para poder dar melhor assistência técnica.

O carro que recebemos era um modelo LS, com vários detalhes de luxo. Não foi alterado nada, tanto nas linhas criadas pelo estilista italiano Giorgio Giugiaro, como no acabamento interno.

Tapetes de buclê, estofamento (preto) de pano, bancos com encostos reclináveis, limpador de pára-brisa com temporizador, rádio de três faixas, odômetro total e parcial, relógio elétrico de horas e esguicho elétrico de água do pára-brisa. Sentimos falta no entanto do aquecedor interno. No primeiro teste que fizemos com os Passat {julho de 74), a fábrica informou que o aquecedor interno era um equipamento de série na versão LS e opcional nos outros (LM e L). Apesar disso, sem diminuir o preço do carro, ela vende a maioria sem esse dispositivo.

A única diferença que se nota à primeira vista, nesse Passat, é no painel. Ele é o primeiro carro a ter um equipamento de ar condicionado que não prejudica a estética nem diminui o espaço interno. No lugar onde normalmente fica o rádio, há uma entrada de ar igual às duas das extremidades, com um pequeno painel e duas alavancas: uma para o controle da ventilação, com quatro velocidades, e a outra para o controle da temperatura – um sistema simples e prático. E aproveita as entradas normais da ventilação. nas extremidades do painel, pára-brisa e assoalho.

Passat com ar condicionado - Painel
O aparelho de ar condicionado não prejudica o interior.

  

Por causa da instalação do aparelho de ar condicionado, o isqueiro elétrico foi mudado para o lado do cinzeiro. E o rádio foi colocado em uma caixa que fica sob o painel, um sistema parecido com o das antigas Variant e do TL, mas com bom acabamento e de maneira que é fácil operá-lo. 

As mudanças mecânicas

O evaporador do equipamento de ar condicionado fica do lado direito do painel, bem no fundo, semi-encoberto por uma proteção de plástico preto, de forma que não atrapalha o passageiro que vai ao lado do motorista.

Com o uso do ar condicionado, houve algumas alterações mecânicas: o radiador de água foi aumentado, a fim de evitar o superaquecimento do carro quando o ar condicionado estiver funcionando, com sobrecarga para o motor; o altenador de 55A e a bateria de 54 Ah têm maior capacidade que os dos outros Passat, para poderem alimentar o equipamento de ar condicionado sem prejuízos para o resto dos equipamentos elétricos.

Passat com ar condicionado - Motor
Ar condicionado: a distribuição é perfeita no cofre do motor.

 

O compressor do ar condicionado fica do lado direito do motor, acionado por uma correia presa a ele. O radiador do ar condicionado também está colocado do lado direito, sem interferir com o do sistema de refrigeração do carro, que fica do lado esquerdo. O sistema é muito bem estudado, pois o equipamento de ar condicionado não interfere com a parte mecânica. A manutenção normal do veiculo portanto é feita sem nenhum problema, o que não acontece em outros carros em conseqüência do espaco que o equipamento ocupa no cofre do motor.

   

O servo-freio

A outra modificacão na mecânica desse Passat era o servo-freio. Basicamente é igual a todos os que existem no mercado, funcionando com o vácuo criado no tubo de admissão do motor e reduzindo o esforço no pedal em 34% e aumentando a força do freio nas rodas em 50%, em comparação com o circuito normal do Passat. Com o servo-freio. pontanto, as freadas são mais seguras e eficientes.

Passat com ar condicionado e servo-freio
O pedal do freio com servo-freio fica 34% mais leve.

   

O servo-freio é montado entre o pedal do freio e o cilindro mestre. Uma haste fica ligada ao pedal e outra – o extensor de saída – em contato com o cilindro mestre. Como funciona com o vácuo criado no coletor de admissão, quando o motor é desligado ele deixa de funcionar, como em todos os outros carros nacionais equipados com o sistema.

 

Desempenho e consumo

O desempenho e o consumo dos carros equipados com ar condicionado geralmente são prejudicados. O carro geralmente anda menos e gasta mais gasolina. Principalmente os de pouca potência. Mas no Passat esse problema foi bem solucionado, porque quase não se notam diferenças em relação ao desempenho, com o ar condicionado ligado ou não.

Esse Passat foi um dos de melhor desempenho que já testamos. Chegou à velocidade máxima de 148,148 km/h (média de quatro passagens), que pode ser considerada muito boa. Com o ar condicionado ligado chegou aos 144,578 km, de média, também boa se comparada ao último teste que fizemos com um Passat 2 portas (dezembro de 74). que alcançou 142,857 km/h.

Passat com ar condicionado e servo-freio
O desempenho quase não se alterou com o ar condicionado.

   

Nas acelerações também não houve muita diferença, principalmente até 100 km/h. Com o ar condicionado desligado, fizemos de 0 a 100 km/h, em 16,1 segundos, e, com ele ligado, 17,8 segundos. Mas nas acelerações de 0 a 120 km/h e de 0 a 140 km/h a diferença aumentou: com o ar condicionado desligado levou 27,8 e 50,8 segundos respectivamente. aumentando para 31,4 e 59 segundos, com o equipamento ligado.

Nas retornadas de velocidade também houve diferença, principalmente nas de 40 a 100, 120 e 140 km/h (em quarta marcha) – com o ar condicionado desligado – que foram de 21,0; 31,2 e 52,7 segundos, aumentando (com o ar funcionando) para 26,4; 39,0 e 61,7 segundos. Isso mostra que, quando se estiver andando com o ar condicionado ligado, para se ter ultrapassagens mais seguras é aconselhável reduzir as marchas.

O consumo também foi surpreendente. Viajando com o ar condicionado ligado, chegamos à média de 10,6 km/litro e, com ele desligado, a 10,8 km/litro, uma diferença bem pequena. Mas durante as medições, que foram feitas com o ar condicionado ligado e desligado, a média caiu de 7,9 km/litro para 5,9 km/litro. De qualquer maneira o consumo pode ser considerado bom: média de 11,4 km/litro com o ar condicionado desligado e de 10,5 km/litro com ele funcionando.

O servo-freio foi o equipamento que mais nos impressionou. De fato esse dispositivo acabou melhorando mais ainda o bom sistema de freios do Passat, que tem duplo circuito independente. Além da vantagem de tornar o pedal mais macio, permitindo ao motorista uma dosagem melhor da pressão, diminuiu os espaços de frenagem em altas velocidades, aumentando a segurança.

Para se ter um exemplo, o ultimo Passat de duas portas testado, para parar a 100 km/h, percorreu 48,32 m e, a 120 km/h, 70,60 m. O carro equipado com servo-freio percorreu 46,80 m e 63,00 m respectivamente. Demonstração de que é um equipamento muito útil.

   

Conclusão

A não ser pelo uso do servo-freio, o Passat praticamente não teve alterações. Continua sendo um dos mais modernos carros construídos no Brasil. O nível de segurança é muito bom e são bons o desempenho, a estabilidade e o consumo. O conforto, muito bom para seu tamanho, tornou-se melhor com o uso do ar condicionado.

Mas a Volkswagen deveria melhorar o sistema de vedação do carro, pois a temperatura interna aumenta muito rapidamente assim que ele pára, o que prejudica um pouco o funcionamento do aparelho de ar condicionado.

Como o equipamento é caro e, com o servo-freio incluído, eleva o preço do Passat a Cr$ 49.608,00. o sistema de vedação deveria ser corrigido para melhorar ainda mais o nível de conforto. 

 

Resultados
Item Avaliação Ruim Regular Bom Ótimo
Desempenho Este Passat foi o que melhor desempenho apresentou dos que já testamos, tanto em aceleração como em velocidade máxima. Mesmo com o ar condicionado ligado, seu desempenho não se alterou muito, o que pode ser considerado muito bom.      
Consumo Este carro, equipado com ar condicionado e por ser da versão LS, pode ser considerado um modelo de luxo. As médias obtidas (sistema Quatro Rodas), tanto com o ar funcionando ou não (10,5 km/l e 11,4 km/l respectivamente), são ótimas      
Motor Com 1.500 cm³ de cilindrada, oferece uma boa potência, é bem econômico, sobe facilmente de rotação e não vibra muito. É elástico e, mesmo quando está com o ar condicionado ligado, não há alteração em suas qualidades.      
Transmissão e câmbio São iguais aos dos outros modelos. Não apresentou problema nenhum durante o teste. O câmbio tem uma boa relação de marchas, permitindo aproveitar bem o motor. Só a alavanca de mudanças é que deveria ter um engate mais preciso.      
Freios Na versão LS e, opcionalmente nos outros, o Passat vem com servo-freio. O sistema aumenta a segurança, permitindo freadas mais tranquilas, em menor espaço e sem jogar o carro para os lados, além de deixar o pedal macio.      
Direção Apesar da tração dianteira, o esforço ao volante é muito pequeno, tanto em manobras como em curvas fechadas. O sistema de pinhão e cremalheira é muito preciso e, graças também à transmissão, não transmite vibrações ao extremo.      
Estabilidade É um dos pontos altos do automóvel: firme nas curvas e, apesar da carroceria se inclinar, tem reações bem definidas, sendo neutro com leve tendência a sair de frente (facilmente corrigível). Os pneus, do tipo radial, ajudam muito.      
Suspensão A suspensão do Passat continua discutível. Permite uma boa estabilidade do carro, além de conforto. Mas parece que deveria ser outra vez reestudada, pois logo no início do teste começou a fazer barulhos que incomodam um pouco.      
Estilo Nada foi alterado nesse modelo. Continua exatamente igual aos primeiros, com um estilo moderno criado pelo italiano Giorgio Giugiaro, com uma superfície limpa, ótimo aproveitamento de espaço e boa área envidraçada.      
Acabamento A versão LS é a que tem melhor acabamento. Os materiais são de boa qualidade e com arremates bem trabalhados, característica de fábrica. Apenas a vedação não está de acordo com o automóvel e é um item importante para o ar condicionado.      
Conforto O conforto dos Passat é um dos melhores nos carros de sua categoria, com bom espaço para cinco pessoas, ótimo sistema de ventilação, bons bancos, suspensão macia em qualquer terreno. Com o ar condicionado (opcional), melhorou ainda mais.      
Nível de ruído O Passat sempre foi considerado ótimo nesse detalhe, mas, dessa vez, havia barulho do motor quando se esticavam as marchas, e dos quebra-ventos em alta velocidade, indicando um pouco de descuido por parte da fábrica.      
Posição do motorista Os bancos com regulagem de distância e encosto, além dos comandos de luz alta e baixa, pisca-pisca, limpador e esguichador de água bem à mão, permitem posição confortável. Só a alavanca de câmbio deveria ser mais perto.      
Instrumentos Estão muito bem localizados em frente ao motorista, são de fácil leitura e bem completos para o automóvel. Mas neste carro o velocímetro apresentou erros muito grandes, mostrando que a fábrica deveria se preocupar mais com a qualidade.      
Porta-malas Para um carro da categoria médio-pequeno é muito bom, com 362 litros (sistema Quatro Rodas) de área aproveitável. O estepe está no assoalho, dificultando sua retirada e, na versão LS, deveria ser revestido.      

 

Velocidade máxima
  Média de 4 passagens Melhor passagem
Com ar ligado 144,578 km/h 147,540 km/h
Com ar desligado 148,148 km/h 150,627 km/h

 

Velocidade máxima nas marchas
  Ar condicionado ligado Ar condicionado desligado
1ª marcha 45 km/h 45 km/h
2ª marcha 85 km/h 85 km/h
3ª marcha 120 km/h 120 km/h
4ª marcha 147 km/h 150 km/h

 

Aceleração
Variação Tempo (ar ligado) Tempo (ar desligado) Marchas usadas
0 – 40 km/h 4,0 s 3,8 s
0 – 60 km/h 7,0 s 6,5 s 1ª/2ª
0 – 80 km/h 11,8 s 10,5 s 1ª/2ª
0 – 100 km/h 17,8 s 16,1 s 1ª/2ª/3ª
0 – 120 km/h 31,4 s 27,8 s 1ª/2ª/3ª
0 – 140 km/h 59,0 s 50,8 s 1ª/2ª/3ª/4ª
0 – 500 m 24,1 s 23,4 s 1ª/2ª/3ª
0 – 1000 m 39,4 s 37,8 s 1ª/2ª/3ª/4ª
Retomada
Variação Tempo (ar ligado) Tempo (ar desligado) Marcha usada
40 – 60 km/h 8,2 s 6,8 s
40 – 80 km/h 16,4 s 13,4 s
40 – 100 km/h 26,4 s 21,0 s
40 – 120 km/h 39,0 s 31,2 s
40 – 140 km/h 61,7 s 52,7 s
40 km/h – 1000 m 41,4 s 39,9 s

 

Aferição do velocímetro
Velocidade indicada Velocidade real Erro percentual
40 31,634 20,9
60 52,554 10,7
80 72,874 8,8
100 92,783 7,2
120 111,111 7,4
140 130,909 6,4

 

Espaços de frenagem
Velocidade Distância
40 km/h 6,0 m
60 km/h 16,3 m
80 km/h 29,5 m
100 km/h 46,8 m
120 km/h 63,0 m
60 km/h (freio de mão) 48,2 m

 

Consumo a velocidades constantes
Velocidade real Consumo em km/l (com ar ligado) Consumo em km/l (com ar desligado) Marcha usada
40 15,4 16,0
60 14,8 14,9
80 12,9 13,3
100 11,4 11,8
120 10,4 10,9
40 12,3 13,0

 

Consumo médio
Com ar condicionado ligado
Faixa de consumo em teste e estrada 5,9 a 10,6 km/l
Faixa de consumo a velocidades constantes 10,4 a 15,4 km/l
Média (Sistema Quatro Rodas) 10,5 km/l
Com ar condicionado desligado
Faixa de consumo em teste e estrada 7,9 a 10,8 km/l
Faixa de consumo a velocidades constantes 10,9 a 16,0 km/l
Média (Sistema Quatro Rodas) 11,4 km/l

   

Ficha técnica
Motor – De quatro cilindros em linha, dianteiro, quatro tempos, diâmetro e curso dos cilindros: 76,5 x 80,0 mm; cilindrada total: 1.471 cm³; taxa de compressão: 7,0:1; comando de válvulas no cabeçote único; válvulas de admissão e escapamento no cabeçote; potência máxima de 78 HP SAE a 6100 rpm; torque máximo de 11,5 mkgf SAE a 3600 rpm; alimentação por carburador de corpo simples de fluxo descendente; gasolina indicada: comum.
Transmissão – Embreagem monodisco a seco de acionamento mecânico; caixa de câmbio de quatro marchas sincronizadas à frente e uma à ré, com alavanca de câmbio no assoalho. Relação de marchas: 1ª) 3,45:1; 2ª) 2,06:1; 3ª) 1,37:1; 4ª) 0,97:1; ré) 3,17:1; relação de diferencial, 4,11:1; tração dianteira.
Carroceria – Carroceria em chapa de aço estampado, tipo sedã, duas portas e cinco lugares; chassi do tipo monobloco com estrutura diferenciada.
Suspensão dianteira – Independente, McPherson, com braços inferiores triangulares, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos e barra estabilizadora.
Suspensão traseira – Eixo rígido, com braços tensores longitudinais, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos telescópicos e barra estabilizadora.
Freios – A disco nas rodas dianteiras e a tambor nas traseiras, de acionamento hidráulico com servofreio; freio de estacionamento mecânico atuando nas rodas traseiras.
Direção – Mecânica, do tipo pinhão e cremalheira com amortecedor hidráulico.
Rodas e pneus – Rodas de aço estampado com aro 13 polegadas e tala 4,5 polegadas; pneus 155 SR 13, radiais.
Dimensões – Comprimento, 418,0 cm; largura, 160,0 cm; altura, 135,5 cm; distância entre eixos, 247,0 cm; altura livre do solo, 13,0 cm.

 

Deixe uma resposta