Passat Pick-Up Servauto

Como já é de amplo conhecimento entre aqueles que se interessam pela história automotiva brasileira, os anos 70 e 80 foram tempos de muita criatividade na indústria dos veículos fora-de-série. Mesmo antes da proibição das importações pelo governo militar, os pequenos fabricantes já mostravam as suas soluções para trazer modelos exclusivos para o público.

Os estilos variavam. Em geral, eram pequenos esportivos de carroceria em fibra de vidro e motor traseiro VW refrigerado a ar. Mas havia espaço para outras concepções, conjuntos mecânicos e propostas de uso, como pequenos caminhões, bugres e transformações usando carros de linha como base.

Com a proibição das importações já em vigor, esta atividade cresceu ainda mais. O que nos leva ao assunto deste artigo: o Passat Pick-up Servauto.

Passat Pick-up Servauto
Passat Pick-Up transformado pela Servauto. Fonte: revista Pintura.

  

Já tivemos a honra de escrever um pouco sobre este modelo, assim como o Passat pick-up produzido pela concessionária Carro do Povo, de Porto Alegre, e as peruas Dacon, Sorana e Besouro, em um artigo publicado em 2017 pelo site Autoentusiastas, em parceria com os mestres Alexander Gromow e Hugo Bueno. No artigo atual apresentaremos material obtido recentemente, e que não poderíamos deixar de fora da Home-Page do Passat.

  

A concessionária Servauto

A Servauto foi uma concessionária Volkswagen localizada na Avenida Lins de Vansconcelos, no bairro do Cambuci, São Paulo. O primeiro registro que encontramos do seu funcionamento é de janeiro de 1966. Naquela época, a Servauto surgia como um novo revendedor Vemag, responsável pela venda e manutenção dos veículos DKW.

Concessionária Servauto - Anúncio de Janeiro de 1966
Anúncio de janeiro de 1966 da Servauto, então concessionária DKW-Vemag.

  

A partir do fim da produção dos veículos DKW-Vemag, a Servauto passa a representar a Volkswagen, mantendo por um período a assistência técnica aos DKW. Os últimos registros que encontramos da concessionária em funcionamento são do ano de 1996. Não podemos afirmar, contudo, que este foi o derradeiro ano da empresa, e solicitamos aos leitores maiores informações para detalhar a matéria. Atualmente, o local onde ficava a Servauto deu lugar a outra concessionária, da Nissan.

Concessionária Servauto - Anúncio de maio de 1968
Anúncio da Servauto em maio de 1968, já como revendedor autorizado Volkswagen, e ainda mantendo a assistência técnica aos DKW-Vemag.

  

O Passat Pick-up Servauto

Antes de mais nada, é essencial citar que a maior parte do material utilizado para este artigo veio da revista Pintura nº 22, de novembro e dezembro de 1977. A reportagem da época tinha seu foco maior na parte da transformação do Passat em sua versão pick-up. O autor da matéria era o Paulo Maurício Rocha, com fotos de Giacomo Favretto. Mas o Passat Pick-Up Servauto também foi divulgado em jornais, como a Folha de São Paulo, conforme mostramos mais abaixo.

Passat Pick-up Servauto
O Passat Pick-up Servauto tinha um ar jovial, com detalhes esportivos e frisos e detalhes em preto.

  

Em 1977, o diretor técnico da concessionária, Eduardo Alvarez Jimenez, que já tinha a ideia de fazer um veículo modificado, recebe na concessionária um Passat que, segundo o mesmo, possuía as condições necessárias para a transformação. Eduardo, então, orientou os chefes dos setores de funilaria e pintura, iniciando os estudos para que as modificações fossem realizadas.

Cada detalhe do projeto era feito inicialmente em desenho para depois ser colocado em prática. O resultado foi o Passat pick-up de cor vermelha e placas LA-0002 que ilustra este artigo. Uma transformação de bom gosto, sem os exageros comuns que encontramos em outras transformações da época, além de funcional. Segundo a revendedora, o Passat pick-up poderia levar até 600 quilos de carga, devido a melhor distribuição de peso e carroceria aliviada.

Passat Pick-Up Servauto
Notícia da Folha de São Paulo anunciava o Passat Pick-up no dia de 11 janeiro de 1978.

 

Além disso, ainda segundo a própria Servauto, o desempenho do seu Passat pick-up era superior ao carro de série, dada a maior estabilidade e por não sofrer a ação de ventos laterais. Ainda havia, conforme seus criadores, uma maior eficiência dos freios, também proporcionado pelo alívio de peso.

A caçamba possuía revestimento especial, além de um compartimento para ferramentas localizado na lateral esquerda, dotado de fechadura, que infelizmente não aparece em nenhuma foto. Tanto o tanque de combustível quanto o alojamento do estepe não sofreram alterações em sua localização. Assim, o veículo não possuía o estepe aparente ou saliências que pudessem atrapalhar a acomodação da carga na caçamba, como pode ocorrer em algumas pick-ups leves. Da mesma maneira, em caso de necessidade de troca do pneu com a caçamba cheia, ela deveria ser esvaziada, ao menos parcialmente, para alcançar o pneu reserva.

Uma alteração curiosa estava relacionada aos para-choques. Eles eram originalmente de Kombi, cortados e trabalhados à mão, com acabamento preto fosco. Este exemplar do Passat Pick-up Servauto recebeu também alguns equipamentos, como vidros ray-ban, grade e faróis do Passat TS, rodas originais de 5″ também utilizadas no Passat TS, com calotinhas cromadas e sobre-aros, vidros elétricos, volante esportivo, banco reclinável com encosto alto, espelho retrovisor do lado direito e suspensão rebaixada.

Cabe ressaltar que frisos, maçanetas e retrovisores eram pintados de preto fosco, assim como os para-choques. E, apesar de não ser citado em nenhuma matéria, as fotos mostram que havia no para-lamas dianteiro algo que provavelmente era um repetidor lateral da seta. O conjunto destas alterações e acessórios proporcionavam ao exemplar um visual bastante jovial e agradável.

Esta pick-up, segundo a publicação, era a primeira unidade transformada pela Servauto e uma segunda estava sendo preparada. O tempo de execução da primeira unidade foi de 30 dias e o valor estimado dos trabalhos era de 40 mil cruzeiros. Apesar de não estar escrito especificamente na matéria, uma nota que será descrita adiante leva a crer que, para a transformação, eram utilizados modelos de 3 portas.

Para realizar a modificação, não foi realizada nenhuma alteração mecânica. A primeira etapa era a desmontagem do interior do carro para possibilitar os cortes. O teto, a partir de determinado ponto, e as laterais acima da linha dos vidro eram removidos.

  

Mais uma vez ressaltamos que nada nas publicações dizia que a transformação deveria obrigatoriamente ser realizada a partir de um modelo de 3 portas. Porém, o diagrama apresentado pela revista Pintura, e que mostramos mais abaixo, mostra que a parte do teto onde originalmente as dobradiças da tampa da mala dos 3 portas são fixadas, foi retirada e transplantada para o novo final do teto, dando assim o acabamento devido onde há a junção com a chapa da cabine onde fica o vidro traseiro.

Este vidro, por sinal, era o da Kombi Pick-Up, sendo feito seu acabamento na chapa do Passat de forma manual, com solda e lixamento. O assoalho também foi trabalhado à mão, sendo introduzidos estrados de madeira para evitar a movimentação do material transportado na caçamba. O alojamento do estepe que, conforme já relatado, não foi alterado, mas recebeu uma tampa com o mesmo acabamento de estrados de madeira. Assim, quando fechado, a aparência do assoalho da caçamba permanecia uniforme. Do lado direito, mais próximo da cabine, o diagrama e a própria matéria indicam uma caixa de ferramentas, que não localizamos nas imagens disponíveis do exemplar finalizado.

Posteriormente, foi levantada a parte traseira da lataria, acima das lanternas, até a altura das laterais da caçamba. O ressalto originalmente existente na lataria abaixo dos vidros laterais foi estendido por toda a lateral do veículo para um acabamento mais harmonioso, assim como uma chapa paralela às portas com desenho em curva. Nas laterais, foram adicionadas borboletas para o fechamento da capota marítima que cobre a caçamba. Mesmo as calhas laterais para escoamento de água da chuva também foram remodeladas, mostrando que o projeto era cuidadoso nos detalhes.

As imagens abaixo mostram alguns pontos importantes da transformação do Passat Pick-Up Servauto e você pode clicar em cada uma delas para ampliá-las.

Na etapa de pintura, o veículo era totalmente raspado e tratado com cromato de zinco para evitar ferrugens. A pintura era feita com laca acrílica e secagem em estufa. Após esta etapa concluída, o exemplar era, enfim, levado para a montagem final.

  

Mais um fato interessante é que o Passat Pick-up das fotos estava, na época, sendo utilizado pela própria Servauto em serviços da concessionária, o que demonstrava também a sua versatilidade.

Passat Pick-Up Servauto
Acabamento detalhado e cuidadoso: o Passat Pick-Up poderia ser entregue em 30 dias.

 

Infelizmente não temos qualquer informação sobre este exemplar ou algum outro que tenha saído desta concessionária ter sobrevivido. Muitos Passat foram cortados artesanalmente, fora da rede autorizada, o que pode levar alguns a confundir um destes exemplares com o Passat pick-up Servauto. Caso algum leitor tenha qualquer informação sobre o destino de alguma pick-up transformada por esta concessionária, por favor entre em contato. 

5 comentários

  1. Marcelo R. (aquattro)

    Muito bonito. Mas, creio que os para-choques originais deixariam o desenho final ainda mais bonito e leve, ao mesmo tempo

  2. Como identificariamos um Servauto original hoje em dia? Alguma plaqueta de identificação específica? Parabéns por mais esse resgate histórico!

    • Grande Hugo! Esse é um ponto que não consegui encontrar nenhuma informação a mais. Mas por chutômetro (e você sabe que não gosto disso), eu diria que não colocavam nenhuma plaqueta a mais pra conseguirmos identificar.

      E é uma pena que a Servauto não exista mais, senão poderia tentar algum contato por lá…

  3. Rogério Dias Gimenes

    Hola muchachos,

    Sou primo do dono da Servauto, o “Antonio Jimenez Lopez” pai do Diretor Técnico da mesma Concessionária “Eduardo Alvarez Jimenez”.
    O Antonio veio a falecer já idoso no início dos anos 2000, época essa que eu nem morava no Brasil.
    A última vez que tive contato com o Eduardo Jimenez foi por volta de 2005/2006, nessa época ele ainda trabalhava com venda de automóveis, ele possuía uma loja de carros multi marcas só importados de alto padrão, depois não tive mais notícias dele.

    Contudo, nunca conversamos sobre esse assunto do Passat Pick-up, assunto esse que sempre tive curiosidade.

    Parabens pelo site e matéria

    • Rogério, é uma satisfação ver que a matéria chegou a alguém da família! Você se lembra do nome dessa loja de importados? Vou tentar encontrar algum contato que chegue a ele. Talvez assim seja possível ter mais alguma informação sobre essa transformação.

Deixe uma resposta