Home / Artigos / Antepassados: NSU Ro 80

Antepassados: NSU Ro 80

Este artigo não trata diretamente do Passat, mas sim do NSU Ro 80. Um modelo que, apesar de não ser considerado exatamente um “parente” do nosso Passat, sempre é lembrado quando contamos sua história. Conheça um pouco mais deste carro de características modernas para a sua época, mas que acabou influenciando o destino de sua montadora, e como isso se encaixou no final dos anos 60 e início dos anos 70 na fase de modernização da Volkswagen, culminando com o lançamento do Passat.

A NSU: como tudo começou

A NSU nasceu em 1873 como Mechanische Werkstätte zur Herstellung von Strickmaschinen. Era uma empresa voltada para a produção de máquinas de costura, na cidade alemã de Riedlingen. Em 1880 a empresa foi transferida para Neckarsulm, passando a produzir também bicicletas alguns anos mais tarde. Foi rebatizada como NSU (Neckarsulm Strickmaschinen Union), lançando sua primeira motocicleta no mercado em 1901, e seu primeiro carro em 1905. A produção de carros foi paralisada em 1932 pela NSU, porém suas motocicletas fizeram muito sucesso ao longo dos anos que se passaram. Na década de 50, a montadora obteve alguns recordes de velocidades e chegou a ser a maior fabricante de motos do mundo.

A produção de automóveis só foi retomada em 1957, com o NSU Prinz. O Prinz era sedã de dimensões compactas inicialmente equipado com motor de 583cc refrigerado à ar. Este modelo foi produzido até 1972, passando por diversas alterações ao longo dos anos, inclusive em sua mecânica, tendo também um motor de 1177cc disponível nas últimas versões.

NSU Prinz
NSU Prinz – Créditos: BestCarMag.com

 

A NSU também foi a pioneira em utilizar motores Wankel em automóveis, assunto que tem relação direta com este artigo. Esse motor foi idealizado por Felix Wankel ainda na década de 20 e patenteado na década seguinte, após diversos ajustes. No lugar de bielas e pistões, um rotor gira através de um eixo, dentro de uma câmara oca. Como vantagens, o menor tamanho e número de peças móveis, além da ausência de vibrações. Há também, claro, desvantagens, que serão relatadas mais adiante. A NSU, que já utilizava esse tipo de motor em motocicletas, lança em 1964 o Spider, pequeno conversível cujo motor rotativo tinha cerca de 500cc e o levava a declarados 153km/h de velocidade final.

NSU Spider: o primeiro automóvel com motor Wankel
NSU Spider: o primeiro automóvel com motor Wankel

 

O NSU Ro 80

Em 1967, a NSU apresenta um modelo bem diferente dos que produzia: um sedã de 4 portas, de porte médio, e um desenho bastante aerodinâmico, considerado avançado para a sua época. O desenho era de Claus Luthe, designer alemão que já havia sido responsável pelo projeto de outros modelos NSU. Posteriormente, Luthe trabalhou também na Audi e BMW. A mecânica repete a fórmula do motor Wankel, porém com dois rotores. Eram 995cc, que rendiam 115cv. A velocidade máxima declarada era de 180km/h e fazia de 0 a 100km/h em 12,8s. Números bem expressivos, ainda mais levando em conta o seu peso de 1340kg.

NSU Ro 80
NSU Ro 80: linhas consideradas modernas para a sua época

 

A transmissão de 3 marchas possuía embreagem automática e era chamada de semi-automática. Utilizava, na verdade, um sistema bem parecido com o Saxomat adotado no Brasil pela Vemag como (raro) opcional em seus DKW. Não havia pedal de embreagem, que era acionada através de um sistema de vácuo. Os freios eram a disco nas 4 rodas, com duplo circuito, outro avanço. Dotado de suspensão dianteira e traseira independentes e um entre-eixos de de 2,86m, possuía ótima estabilidade.

Com desenho moderno e agradável, bom desempenho e inovações técnicas, o NSU Ro 80 foi eleito o Carro Europeu do Ano em 1968.

Interior do NSU Ro 80
Não havia pedal de embreagem no interior do Ro 80. Créditos: Fab Wheels Digest

 

Motor Wankel: os problemas

Porém, em pouco tempo o Ro 80 teve sua imagem abalada. O motor Wankel, um dos grandes diferenciais do modelo, mostrou-se frágil, com problemas de desgaste na vedação dos rotores, o que levou diversas unidades a necessitarem de uma retífica mesmo com baixo uso, por volta de 50.000km. O problema foi solucionado posteriormente, modificando o material utilizado na vedação dos vértices dos rotores. Porém, a imagem do modelo já estava abalada. O alto consumo inerente aos motores rotativos, causado pela combustão incompleta do combustível, e o desconhecimento dos mecânicos sobre o funcionamento deste tipo de motor também não ajudaram. Foi necessário introduzir uma política mais ampla de garantia, mas as baixas vendas do modelo acabaram culminando com uma grave situação financeira da NSU.

Motor Wankel do NSU Ro 80
O motor Wankel: problemas de durabilidade. Créditos: Fab Wheels Digest

 

O começo do fim

Em 1969, a NSU acabou sendo adquirida pela Volkswagenwerk AG, que a uniu a Auto Union. A nova empresa passou a se chamar Audi NSU Auto Union AG. Aos poucos, desenhava-se o fim da NSU. Em 1973, os pequenos modelos Prinz deixaram de ser produzidos. O Ro 80 permaneceu como o único modelo a representar a marca de Neckarsulm.

Traseira do NSU Ro 80 1977
NSU Ro 80 1977: último ano de produção. Créditos: Fab Wheels Digest

 

Foram poucas as alterações durante seus 10 anos de produção. Entre elas, a grade plástica no lugar da feita de metal, lanternas e pequenas alterações nos pára-choques. Em abril de 1977, após cerca de 37.400 unidades, o Ro 80 deixa de ser produzido. Desde então o emblema NSU não foi mais utilizado. Em 1985 o nome da empresa foi encurtado para Audi AG, sendo sua sede transferida de Neckarsulm para Ingolstadt.

NSU Ro 80 1976
NSU Ro 80 1976 – Créditos: Drive-My Blogs

 

O período entre 1969 e 1973 acabou sendo crucial para uma mudança na linha de produção da própria Volkswagen, que precisava de um novo sedã para substituir o Type 4 (VW 411/412). A montadora então buscou na recém adquirida NSU o projeto do K70 para ser o primeiro automóvel que possuía motor refrigerado à água e tração dianteira a ostentar o emblema VW. Lançado em 1970, acabou não alcançando o sucesso esperado. Como alternativa a modernização da marca, a VW buscou na Audi um substituto para o K70. A partir do sedã Audi 80, lançado em 1972, Giorgetto Giugiaro modificou a carroceria para o desenho de um fastback, que veio a ser o Passat. Os modelos acabaram convivendo na VW por alguns anos. Mas daí pra frente, conhecemos bem a história…

NSU Ro 80
Créditos: Lothar Spurzem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *